Oceânica

Quando nasci

arrancaram-me guelras e escamas

para que eu jamais soubesse

a que reino pertencia

A dificuldade em respirar

revelou-me

sou oceânica.dmitry_laudin_05

 

Advertisements

Nunca mais

Nunca mais

não quero mais

amores inventados

são frágeis como as manhãs.

 

capa2.jpg

Ímpar

poema 2Assim que as tempestades
de medo cessaram
ela se sentou
na linha do tempo
e esperou
que se abrissem
as cortinas do dia.
Acompanhou as aves de arribação
as gaivotas pesqueiras
as andorinhas acrobatas.
Esperou
que trocassem as marés
presenciou a mudança
das estações
e alternância dos ventos.
Esperou atentamente
Um sinal
um risco
um veleiro a rasgar
a marca do horizonte.
Esperou anos
até que suas pálpebras
murchas
sua visão enfraquecida
misturou céu e mar.