Oceânica

Quando nasci

arrancaram-me guelras e escamas

para que eu jamais soubesse

a que reino pertencia

A dificuldade em respirar

revelou-me

sou oceânica.dmitry_laudin_05

 

Advertisements

Ímpar

poema 2Assim que as tempestades
de medo cessaram
ela se sentou
na linha do tempo
e esperou
que se abrissem
as cortinas do dia.
Acompanhou as aves de arribação
as gaivotas pesqueiras
as andorinhas acrobatas.
Esperou
que trocassem as marés
presenciou a mudança
das estações
e alternância dos ventos.
Esperou atentamente
Um sinal
um risco
um veleiro a rasgar
a marca do horizonte.
Esperou anos
até que suas pálpebras
murchas
sua visão enfraquecida
misturou céu e mar.