Conspiração

John Waterhouse

John Waterhouse

O centauro ferido
Tentou me proteger das intempéries
O cavalo alado
Sequestrou- me na madrugada
As plêiades me preveniram
Com seus sussurros
E até o unicórnio abandonou
Sua tradicional indiferença
E suplicou que eu ficasse

Eles me aprisionaram
E tentaram me embriagar
com poções mágicas
e filtros anestesiantes

Eu resisti a todos.
Ceguei os ciclopes
Que guardavam minha porta
E fugi.
Contrariando todos os oráculos
Desafiando todas as divindades
Varei as sombras
Gastei as noites
Atravessei pântanos e florestas
Enfrentei ventos e tempestades
Só para chegar até teu esconderijo
E provar do banquete
Que havias preparado
Para minha vinda.

.

O que de mim resta

John E. Millais John Waterhouse

Cada dia mais
pertenço-me menos.
Escamas minhas
soltas ao vento.
Fios de meus cabelos
nos galhos das árvores.
Espreito traços meus
dispersos na multidão.
Líquida me desfaço
úmidos orvalhos.
Cada dia mais
me pertenço menos.
A poesia me enlaça
em seus braços recolhe
o que de mim resta.
Nela eu navego,
naufrago
visito outras esferas.
Espero.

Partiste?

camille pissarro

camille pissarro

Partiste?
O tempo emudeceu
perplexo
A noite recolheu-se
escura
E o dia
desistiu de amanhecer.

Partiste!
nunca mais te vi
nunca mais me viste.
A morte
não nos abrigou
foi a vida que
nos expulsou.

Partiste?
por que então
encontro
teu rastro
teu cheiro
teu rosto
vagando
pelas esquinas?

Leva-me, pede o poeta

D.G.Rossetti

D.G.Rossetti

Leva-me
Pede o poeta
À borboleta
– Não posso
Partirias minhas asas!
-Leva-me
Pede o poeta
À ventania
– Não posso
Perderia o meu rumo!
Leva-me
Pede o poeta
À noite
– Não posso
A manhã te roubaria.
Leva-me
Suplica o poeta
À morte
– Não posso
Não estás
Pronto!.

Procura

Dieggo Velasquez

Dieggo Velasquez

Eu
e meus pés- de- vento
braços alongados pelas nuvens
Trago escondidas nas veias
Histórias de outras vidas
Segredos de maresia.
Eu procuro
Um corpo
onde possa atracar.

Cartas de Amor

Rossetti

Rossetti

Vou te escrever as mais longas cartas de amor, jamais escritas, para serem lidas na eternidade.
Rolos e rolos de pergaminho prontos para atravessar os mares e vencer o tempo.
Vou te contar da perplexidade que me visita todas as manhãs quando acordo e com os olhos ainda sonolentos, descubro que o amor não é ilusão. É um sentimento que me toma, anima todas as coisas e movimenta o universo.
Quero falar da alegria que sinto quando tua presença começa a se formar diante dos meus olhos, eu te invoco e te trago para dentro de mim para que ocupes o meu dia.
Quero dividir contigo as porções de alimento que recolho pelo caminho e que dão sobrevida a minha alma. São frutos em oferta nas árvores, pássaros alheios à multidão, flores invisíveis que resgato, são instantes opacos que aprisiono para te dar, algum dia.
Quero compartilhar contigo os mais insignificantes gestos, as palavras não proferidas, as intenções ocultas, os sonhos desperdiçados.
Quero que vejas o que eu vejo através do caleidoscópio, dos prismas, dos corpos para que recriemos juntos o mundo.
Quero parar os ponteiros, congelar as horas e eternizar os momentos em que estás ao meu lado.
Vamos roubar da matéria cósmica, uma porção ínfima que sirva de argamassa na construção da nossa casa. Todos os lagos, os rios, os oceanos quero navegá-los contigo, sem pressa, num passeio redondo em volta do globo, sem medo de ultrapassar as bordas, as margens
e de cair nos pólos.
Vou te enviar manuscritos, petições, poemas, relatórios, convocações todas as formas que existem de pedir, implorar, rogar, exigir que permaneças ao meu lado para sempre.

Eu nem te sabia

Juan Gris

Juan Gris

Amanheci
já não estavas
Procurei-te
e não te vi
Fiz em mim
tua morada
E já de mim
te ausentaras.
Entrei no escuro
que te ocultava
em desespero
mais me perdi.
Em plena luz
te desenhei
E a luz mais cegou.
Embriagada
Fugi pro mar
Ah mas eu o sabia
Que o mar me traria
teu corpo salgado
outra vez.
Onde ele estava?
Também o mar se perdia
Também o mar me fugia
Onde se escondera?
O mar
leito de minhas guelras
colo de meus delírios?
Até o mar secara.
Amanheci
nada existia
não te sabia
Eu, de mim,
nada guardara.