O amor em tempos maduros

Ambrose McEvoy

Ambrose McEvoy

“Deus me deu um amor no tempo de madureza,
quando os frutos ou não são colhidos ou sabem a verme.
Deus ou foi talvez o Diabo deu-me este amor maduro,
e a um e outro agradeço, pois que tenho um amor.”
(Campo de Flores- Carlos Drummond de Andrade.)

Pois que também tenho um amor.
Maduro, dourado
Como fruto de physalis
Quem mo deu
Foi Deus ou o diabo
Que importa?
Veio pronto.
Embalado em ventos
Numa tarde anunciado.
Veio e ponto.
Eu já tinha desistido
de suspirações
tão desacostumada
estava de acarinhamentos.
E eis que o amor
me aluga.
Muda o lugar de tudo
Ladrilha de orvalho
Os meus dias
Incendeia de pirilampos
as noites.

Eis que tenho um amor
E não sei como cuidar dele.
Amarro-o
Com unhas e dentes
Para que não se desfaça
Amordaço-o
Para que não se gaste em asperezas
Nem se rasgue em frivolidades.
Tenho um amor tardio
Que é só meu
Carrego-o como um fruto,
Filho de longa espera.
Quem o trouxe
O que me importa
é o que me coube
Sou feliz pois tenho um amor
que se enfeita
do tempo que me resta.

Tudo parece igual

Jean Baptiste Corot

Jean Baptiste Corot

Tristão e Isolda se enlaçam
A grama cúmplice os acolhe.
Folhas e ramos brotam.
Bem-te-vis se espelham nas portas
Quero-queros se ocultam
Nas moitas fartas.
Lagartas deixam-se borboletas
Sem testemunhas.
Caramujos invadem o quintal
E o lagarto vigilante
Cochila.
Lichias vergam os galhos
Férteis e suculentas.
Há uma fingida paz no pomar
O vento varre a tarde
Para trás dos morros azuis.
Tudo parece exatamente igual
Tudo obedece ao mesmo ritmo.
Caminhas recolhendo
Pedaços de verde.
Sementes de sol
Pousam em teu rosto
Só eu distante
Estou ao espetáculo
Que não me participa.

MAGIA

Claude Monet

Claude Monet

Por que aprisionas
as estrelas
se é da natureza delas
vagar pelo espaço?
Por que refugias
as manhãs
se é das manhãs
desfraldar os dias?
Por que encarceras
tanto encanto
se é o encanto
atributo dos anjos.
Por que não libertas a magia
e dás aos ventos
o prazer de ser guia.

HERDEIROS

Vladimir Gusev

Vladimir Gusev

Quem herdará
as palavras
trancadas na alma
quem cuidará dos poemas
abortados no tempo
quem regará os versos
soltos aos ventos
e quem recolherá
a poesia
em seu colo
na minha ausência?

ESTILHAÇOS

Egon Schiele

O amor me traiu
partiu-me
mil pedaços!
Em lágrimas
com suor
catei os estilhaços
dispersos.
Adquiri deformidades
de alma
ganhei cicatrizes
eternas.
Jurei nunca mais
olhar em seus olhos
beijar sua boca
ouvir seus apelos.
Hoje ostento
com orgulho
as suturas.
Quando ele vem
disfarçado
com outros nomes
minhas queimaduras ardem
e eu fujo.