Ah, as madrugadas…

Claude Monet

Claude Monet

Ah, as madrugadas
Com seus gestos sonolentos e ruídos incômodos
Ah, os entardeceres povoados de silêncios e medos
Ah, as tempestades convulsionando os ares com seus relâmpagos e trovões e arrepiando os mares
Ah, o tempo se esgarçando em minutos eternos
Rindo-se dos ponteiros arrancados e inúteis
Ah, quando o teremos?

Advertisements

Em teus domínios

chagall

A tarde cai
E eu te persigo
absorta.
Amo tua coragem
que me devolve
à vida interrompida
Amo-te na ausência
Que te faz absoluta
És minha face oculta,
a que se nega ao espelho
A que se esconde às luzes.
És meu avesso
E imersa em paixão te atravesso.
Invejo a velocidade que te move
acompanho teu voo.
A noite chega e em seus perfis
eu te busco sem receio.
Cruzas os pântanos de minha alma
e me iluminas
Quero-te além dos espaços sombrios
das brumas que precedem as manhãs
Virás, um dia, cavalgando meu medo
E eu, escrava, partirei contigo
Para os teus domínios.

Vinho

Paul Cézanne

Paul Cézanne

dá-me uma gota
de vinho
para selar minhas mágoas
dá-me um gole de vinho
para apagar minhas chagas
dá-me um copo de vinho
para afagar minha sede
dá-me todo o vinho
que houver
para encharcar minha dor.

Quando a morte chegar

Henri Matisse

Henri Matisse

Quando a morte chegar
eu estarei esperando por ela.
Vou recebê-la de cabelos pintados
lábios vermelhos e rímel nos olhos.
Eu a convidarei a entrar
sem susto, sem medo.

Ela não me encontrará
sentada numa cadeira de balanço
nem deitada na cama
à espera dela.

Estarei ainda
saltando obstáculos
vencendo maratonas
desafiando a dor.

Quando a morte chegar
eu tomarei seu braço
e ela me levará
docemente.

Tributos

Vladimir Kush

Vladimir Kush

Falas-me
do privilégio de sentir
O indizível
E de tocar,
Algumas vezes
O imponderável.
Que tributo nos cobrarão
Os deuses
Por ousarmos penetrar
No universo dos eleitos?

Sinfonia

sisley38 Alfred Sisley

Ah, este amor
Fez-se acompanhar por corujas
e bem-te-vis…
No seu rastro
Vieram amores não vividos
a me cobrar cumplicidade

Muralhas

Edvard Munch

Edvard Munch

Acreditei que entre quatro paredes
eu estaria protegida dos fantasmas
dos sustos, das tentações
e dos malfeitores.
Hoje tenho as portas escancaradas
e não possuo uma só arma
para me defender.